Exerpto G:

Rumo a Uma Teoria Completa de Energias Sutis

Ken Wilber

Parte II. Uma Teoria Integral de Energias Sutis

O Espectro de Energias Sutis

Como sempre, primeiramente vamos nos familiarizar com as tradições de sabedoria, e depois ver como seus profundos insights podem ser atualizados com AQAL.

A idéia que, além de um espectro de consciência, existe um espectro de energia é comum em muitas tradições. Um tal espectro vai da energia física bruta, para a energia etérica, para a energia astral, para a energia psíquica, para a energia causal. Neste momento, sem discutir os detalhes, simplesmente aceitemos que exista um tal tipo de espectro de energia sutil.

De maneira geral (que refinaremos à medida que prosseguirmos), estes 5 níveis de energia são essencialmente correlacionados com os 5 níveis de consciência (por exemplo, como apresentado na fig. 1). De acordo com as tradições, estas energias não são a mesma coisa que a consciência; a consciência não pode ser reduzida a estas energias; nem elas podem ser reduzidas à consciência. Estes níveis de energia acompanham e suportam seus correspondentes níveis de consciência (de forma que uma energia bruta é o suporte da consciência bruta, uma energia sutil é o suporte da consciência sutil, uma energia causal é o suporte da consciência causal, e assim por diante).

Pode-se representar o espectro de energia tal como na figura 1 (energia física, energia vital, energia mental, energia anímica). Todos os níveis, tanto de consciência quanto de energia, superiores ao nível mais baixo (ou "matéria") eram completamente transmateriais (metafísicos, sobrenaturais). Afirmava-se que estas energias formavam esferas concêntricas de expansão crescente, mas eram em si mesmas, essencialmente, não-material-brutas (ou, ontologicamente, preexistentes e separáveis da matéria).

Os pontos essenciais dessa formulação ainda podem ser verdadeiros, e são verdadeiros, eu creio. Mas com a comprrensão do enfoque naturalista da matriz AQAL, podemos reconhecer que muitos dos itens que as tradições pré-modernas acreditavam ser completamente transmateriais ou metafísicos são, na verdade, relacionados com a complexificação da matéria, não uma mera transcendência da matéria.

Sugerimos que esta naturalização de ocasiões metafísicas apresente três importantes componentes: a complexidade da forma bruta (no QSD) está relacionada com um grau crescente da consciência (no QSE), e com uma sutilização de energias correspondentes no próprio QSD. Podemos representar isto, grosseiramente, como na figura 7.

Nesta figura, vemos que os campos de energia que se pensava estar pairando metafisicamente além da matéria, na realidade emergem em correlação íntima com a complexificação da matéria. Estes campos sutis não podem ser reduzidos à matéria, mas nem tampouco são ontologicamente desconectados da matéria. O fantasma desconectado da máquina está, de fato, intimamente relacionado ao grau de complexidade da máquina. Cada mente tem seu corpo. Mente mais sutil e sofisticada significa, simplesmente, corpo mais sutil e sofisticado. Como veremos em breve, as tradições (particularmente o Vedanta e o Vajrayana) tiveram um compreensão muito profunda da relação entre consciência bruta, sutil, e causal com corpos brutos, sutis, e causais - mas eles não captaram completamente a hipótese conectiva nº 3 (isto é, a relação de tudo isso com as complexificações da matéria bruta).

O elo perdido de ligação é sugerido na figura 7. Nesta figura, simplesmente assumimos a existência do espectro de energia como dado pelas tradições (física, etérica, astral, psíquica, etc.), e então fizemos algo que as tradições não puderam fazer: aproveitamo-nos da ciência moderna e correlacionamos o aparecimento desses campos sutis com o registro evolucionário; em seguida, rastreamos a correlação de energias sutis com as complexidades da matéria bruta. Eis aqui uma breve elaboração do que descobrimos (como resumida na figura 7):

Figura 7. Complexificação da forma bruta é acompanhada por energias mais sutis.

As formas primitivas da evolução - como quarks, elétrons, prótons, átomos e moléculas - são acompanhadas pelas quatro forças-energias fundamentais da matéria bruta: eletromagnética, gravitacional, nuclear forte e nuclear fraca. É comum referir-se a elas como energias "físicas" ou energias "brutas", e isto está correto, desde que nos lembremos que estas energias "físicas" ou "materiais" não são a totalidade da matéria-energia, mas simplesmente os níveis mais baixos da matéria-energia (isto é, os níveis inferiores de massa-energia no quadrante superior direito). Genericamente falando, energias brutas cercam seus corpos materiais associados em vários tipos de campos; a energia em si, em sua forma típica, propaga-se como um evento partícula/onda.

Com o aparecimento, durante a evolução, das formas materiais complexas que chamamos de "vida" (começando com vírus e procariotes), uma energia mais sutil - freqüentemente chamada de "etérica" - emerge. Como indicado, estes campos de energia etérica circundam os campos de energia física de uma maneira holônica (isto é, como esferas de expansão crescente).

Nota: na metateoria AQAL, o Kosmos manifesto é composto de hólons em várias perspectivas. Um hólon é um todo/parte - ou uma totalidade que é, simultaneamente, parte de outras totalidades - por exemplo, um átomo é parte de uma molécula, que é parte de uma célula, que é parte de um organismo, etc. Hólons individuais, indefinidamente para baixo - átomos, quarks, férmions - possuem uma centelha de sensibilidade ou preensão, de forma que todos os hólons individuais são seres sencientes. Todos os hólons individuais também são o que Whitehead chamou de "individualidades compostas" ou individualidades formadas por individualidades juniores: uma célula é uma individualidade composta formada por moléculas, que são individualidades compostas formadas por átomos, que são individualidades compostas....

Quando uma ocorrência (ou hólon) é olhada sob o enfoque de primeira-pessoa (como um "eu" ou ser senciente), deparamo-nos com os tipos de fenômenos listados no quadrante superior esquerdo (como preensão, sensações, impulsos, conscientização, consciência, etc.) Quando este mesmo hólon é observado de um modo objetivo de terceira-pessoa (como um "isso"), encontramos os tipos de fenômenos listados no quadrante superior direito (como massa do hólon, forma e energia mórfica, as quais podem ser descritas em termos de terceira-pessoa ou "isso", diferentemente do QSE, que só pode descrito em termos de "eu"). No momento, estamos rastreando a evolução de hólons olhando para suas formas exteriores de matéria e energia (isto é, eventos no quadrante superior direito), à medida que emergiram no curso da evolução.

Os estágios gerais desta emergência evolucionária, no que diz respeito a suas formas no QSD, são sugeridos na figura 7 . Quando um hólon é observado sob uma perspectiva objetiva ou de terceira-pessoa, verificamos que corpos materiais - como átomos, moléculas, células - são cercados por campos de energia que estão, de acordo com a hipótese nº 3, relacionados a graus crescentes de complexidade da forma material bruta. Cada um destes campos de energia - físico, astral, etérico, etc. - envolvem e envelopam seus campos juniores da mesma maneira que suas formas materiais associadas envolvem e envelopam suas formas juniores (por exemplo, uma célula envolve moléculas, que envolvem átomos, etc.). Deste modo, os indivíduos compostos e seus campos de energia associados são ambos "holônicos". Retornaremos a estes pontos ao longo da exposição.

À medida que a evolução continua a produzir um complexificação da forma bruta, tipos de vida emergem e começam a interpretar estímulos ambientais de modos muito sofisticados, usando sistemas de órgãos como uma rede neural e uma haste cerebral reptiliana. Com a emergência de uma haste cerebral e de um sistema límbico paleomamífero, uma energia ainda mais sutil - chamada de "astral" - também começa a emergir. "Astral" pode significar muitas coisas, mas, em especial, significa um campo poderoso de energia emocional - mais sutil que a física e a etérica - que permeia o organismo vivo (por exemplo, fluindo pelos meridianos da acupuntura) e também se estende além, envolvendo os campos físico e etérico numa expansão holônica. (Veremos estes campos de energia holônica quando chegarmos ao diagrama de Burr, abaixo.)

Mas, novamente, estes campos de energia não são radicalmente metafísicos, porque se fossem, então todos eles (já que não se limitariam a objetos físicos), poderiam e estariam envolvendo todos os objetos físicos, quando, o que de fato acontece, e que esses campos só emergem (e envolvem) objetos materiais de um grau correspondente de complexidade. Uma pedra não tem um campo emocional; um verme não tem um campo mental, e assim por diante. A revolução moderna (ou naturalista) nos permite ancorar estes campos na natureza, sem reduzi-los à natureza. Uma história natural destes campos de energia mostra que eles emergem em correlação com o grau de complexidade da forma bruta, e juntos (a forma e sua energia correspondente) são as correlações do QSD (ou os exteriores observáveis) dos graus crescentes de consciência do QSE. As formas e energias podem ser vistos sob a perspectiva de terceira-pessoa (elas são os componentes "isso", ou os componentes objetivos de todas as unidades mórficas, ou hólons, vistos do exterior); a consciência só pode ser conhecida sob o enfoque de primeira-pessoa (como o "eu" de hólons vistos de dentro).

Continuando a história natural de energias sutis: a partir do ponto onde a evolução da forma bruta crescentemente complexa produz um cérebro trino, uma energia ainda mais sutil - conhecida como "psíquica" - emerge. "Psíquico", neste caso, significa simplesmente "campos de pensamento", que são produzidos por atividade mental sustentada. Estes campos envolvem e envelopam o físico, o etérico e o astral - mas eles SÓ emergem em, através de e ao redor de formas suficientemente complexas que incluem cérebros trinos.

O ponto importante é que todos estes campos - físico, etérico, astral, psíquico - são uma parte inerente dos hólons correspondentes no quadrante superior direito. Isto é, o exterior de um ser individual senciente (átomos a formigas, a macacos) consiste de uma forma mórfica individual e de seus campos de energia relacionados. Já que todo hólon é, na realidade, um hólon composto, ele contém em sua estrutura os sub-hólons prévios, que, por sua vez, possuem sua própria preensão interior (QSE) e forma e campo de energia exteriores (QSD), todos continuando sua própria existência relativamente independentes, mas agora envolvidos e incluídos no abraço do hólon superior, do qual são subcomponentes - hólons dentro de hólons, campos dentro de campos, energias dentro de energias, indefinidamente.

Daí por que a consciência, formas e campos de energia são holárquicos. Todos são hierarquias nidiformes de transcendência e inclusão. Nos domínios exteriores, que são marcados por sua extensão no espaço-tempo, você realmente pode observar muitas dessas holarquias: no QSD, células fisicamente envolvem moléculas, que fisicamente envolvem átomos. Igualmente, no QSD, o campo de energia psíquica envolve e envelopa (transcende e inclui) o campo astral, que envolve e envelopa o etérico, que envolve e envelopa o físico....

Harold Saxon Burr, fisiologista de Yale, que foi um dos primeiros grandes pioneiros na pesquisa científica (ou de terceira-pessoa) de campos de energia, usava freqüentemente um diagrama como o da figura 8, que representa os campos de energia detectados experimentalmente.

Figure 8. Burr Diagram of Energy Fields.

Enfatizo que este é um diagrama altamente esquemático, simplesmente para mostrar o que está envolvido. Ele inclui um "campo-P," ou quaisquer energias físicas brutas associadas a este corpo; como também um "campo-L" (ou "campo vital") e um "campo-T" (ou "campo de pensamento"). Notem a característica holônica. Claro, nenhum destes campos de energia é meramente local, ou limitado a um espaço físico localizado. Os aspectos locais destes campos de energia - representados pelos invólucros no diagrama - são simplesmente as áreas de maior densidade dos campos (ou, alternativamente, as áreas com maior probabilidade de se encontrar a energia característica). Mas muitos destes aspectos locais podem ser fisicamente detectados, de fato, com vários instrumentos (por exemplo, Burr, Motoyama, Tiller). Paranormais altamente conhecidos e respeitados (por exemplo, Michal Levin) freqüentemente percebem estes envoltórios de energia essencialmente do mesmo modo como Burr os descreveu - campos dentro de campos, dentro de campos. Isto não significa que eles não apareçam de outros maneiras, somente que o diagrama de Burr capta alguns aspectos típicos e importantes destas energias.

O ponto é que, tanto no interior quanto no exterior, a evolução realmente é, de muitos modos significativos, holárquica: ela transcende e inclui. E portanto os marcos holônicos da evolução e desenvolvimento contínuos - em consciência, em complexificação da forma e em campos de energia emergentes - demostram um padrão hierárquico nidiforme: a totalidade de uma onda se torna uma parte da totalidade da próxima. A este respeito, Plotino pôs o dedo na ferida: desenvolvimento é envolvimento.

Uma vez que cada hólon ou indivíduo composto contém ou inclui a matéria e energia de seus subhólons, podemos usar mais alguns diagramas para, esquematicamente, indicar o que isto pode significar. Com referência ao diagrama de campos holônicos de Burr, cada hólon individual, quando emerge, tem sua própria forma bruta material mais seus campos de energia associados: quanto maior o grau de complexidade da forma material, maior o número de campos de energia que a cerca (hipótese nº 3). Isto pode ser indicado como na figura 9.

Figura 9. Matéria e energia holônica

Nesta figura, que representa situações reais quando observadas de modo objetivo, de terceira-pessoa (isto é, hólons no quadrante superior direito), podemos ver que cada nível de complexidade crescente da forma material bruta transcende-e-inclui (ou congrega) seus níveis juniores da forma material - mas todos esse níveis são indivíduos compostos por si mesmos, e deste modo retêm suas próprias assinaturas de energia, de forma que são formados por seus componentes materiais juniores (representados pelas esferas sólidas) e seus campos associados de energia (representados pelos envoltórios pontilhados).

Embora estejamos focalizando hólons individuais e seus campos de energia no QSD, a natureza AQAL de todos os hólons sugere claramente que devam existir, no QID, sistemas coletivos de campos de energia associados aos hólons sociais, e acredito que existam (retornaremos a isto em seções posteriores).

propósito, não existem campos de energia nos quadrantes do lado esquerdo, obviamente porque são aspectos de primeira-pessoa dos hólons: sensações, conscientização, consciência, e assim por diante, cujas correlações exteriores (ou do lado direito) são massa e energia. Todos os hólons possuem os quatro quadrantes, o que significa que todos os hólons apresentam interiores de consciência e exteriores de forma e energia (por exemplo, até mesmo a consciência sutil tem um corpo sutil e a consciência causal tem um corpo causal, etc.), mas a consciência em si não é energia, nem energia é consciência.

Terminologia

Sem dúvida, quando nos referimos a energias sutis, a terminologia rapidamente passa a ser um problema importante. Primeiro, existe uma impressionante variedade de termos usados atualmente para esses fenômenos; segundo, há um grande número de fenômenos sendo proposto; e terceiro, existe uma proliferação de teorias tentando explicar os fenômenos.

Temos que começar de algum modo; assim, vou fazer algumas sugestões semânticas. Estas são apenas sugestões. .

Nível de Massa-Energia Nível Correspondente de Consciência
Físico Bruto (gravitacional, eletromagnética, nuclear forte e nuclear fraca) 1. Sensório-motor
Etérico, Campo-L 1 (L-1) ou Biocampo 1 2. Vital
3. Astral, Campo-L 2 (L-2) ou Biocampo 2 3. Emocional-sexual
4. Psíquico-1 ou Campo-T 1 (T-1) 4. Mental
5. Psíquico-2 ou Campo-T (T-2) 5. Mental Superior
6. Causal ou Campo-C 6. Sobremental
7. Não-dual 7. Supermental

Tabela 1. Níveis de energia e consciência

Um dos primeiros pontos que precisamos considerar é o simples fato que, em qualquer esquema de classificação, o número de "níveis" é arbitrário. Ao medir temperatura, por exemplo, podemos usar a escala Fahrenheit (em que existem 180 "graus" ou "níveis" de calor entre o gelo e o vapor d'água) ou podemos usar a escala Celsius (em que existem 100 níveis). Qual é a correta? Ambas são adequadas, desde que saibamos qual estamos usando.

O mesmo vale para níveis de consciência, níveis de complexidade material e níveis de energia sutil. Isto é não quer dizer que eles não sejam reais, mas simplesmente que a maneira como os dividimos é arbitrária. A única coisa que não é arbitrária, de acordo com as hipóteses nº 2 e nº 3, é que qualquer que seja o número de níveis de consciência, sempre existirá o mesmo número de níveis de matéria-energia: eles são o interior e o exterior do mesmo evento.

Apresentarei algumas sugestões de terminologia em duas partes: primeiro, uma lista do número mínimo de níveis de energia que precisaremos a fim de cobrir a maior parte dos pontos relevantes; e, mais tarde, uma taxonomia mais refinada envolvendo famílias, gêneros e espécies.

No estágio presente de nosso conhecimento, parecem existir pelo menos sete principais níveis diferentes de energia. Eles se correlacionam aproximadamente com os setes chacras e são indicados na Tabela 1, junto com a terminologia sugerida. Retornaremos a uma taxonomia refinada mais tarde.

Involução e Evolução

Antes de nos voltarmos para alguns refinamentos deste esquema, existe um último item importante que precisa ser tratado, um item que provavelmente causou mais dificuldade teórica do que qualquer outro, não só na área de energias sutis, mas também na área global da espiritualidade e misticismo e sua relação com a ciência moderna.

Isto é, onde se localiza o vácuo quântico neste esquema?

De acordo com a física moderna quântica e relativística, a quantidade da densidade de energia de vácuo contida num único átomo de hidrogênio é maior que a quantidade de energia armazenada em todas as estrelas conhecidas. Em outras palavras, uma imensidão de energia. Vários fatos intrigantes sobre a realidade quântica como este levaram uma longa lista de cientistas - de LeShan a Capra, a Zukav, a Wolf (e dezenas que não serão nomeados) - a comparar o vácuo quântico com algo parecido com espírito, supermente, o Tao, Brahman, o Vazio do Budismo, e assim por diante. O resultado, em minha opinião pessoal, foi calamitoso.

Para começar, vamos nos ater às tradições e verificar onde elas poderiam situar realidades quânticas. Na teoria da Mecânica Quântica (MQ), o potencial de onda é uma vasta fonte de energia criativa que dá origem a partículas materiais cada vez mais densas, incluindo, finalmente, partículas como quarks, elétrons e prótons. E este natureza "criadora" do potencial quântico leva muitos cientistas a igualá-la com uma potencialidade espiritual, um tipo de imenso campo de potenciais infinitos que é o espírito infinito ou consciência ilimitada.

Se fosse dessa maneira, então a seqüência da evolução seria algo assim: as partículas subatômicas se originariam do potencial espiritual/quântico, que, finalmente, se reuniriam em átomos, em seguida em moléculas, que depois formariam células, que gerariam organismos.... Em suma, nesse esquema, quanto mais elevado o nível de evolução, mais distante de Deus ele estaria.

Obviamente, há algo errado com este esquema. Mas uma vez que você identifica erroneamente espírito com potencial quântico, não existe nenhum outro caminho a ser seguido. Justamente porque o potencial quântico não é, de fato, um domínio radicalmente informe ou não-dual, não pode assemelhar-se a uma realidade espiritual genuína; pelo contrário, é simplesmente um aspecto de um reino manifesto que tem qualidades e quantidades, e, portanto, não é o radicalmente Inqualificável.

As tradições de sabedoria estão fortemente de acordo e são virtualmente unânimes neste ponto. Nós já nos referimos à visão geral das tradições com respeito à emanação (ou involução). Ainda que usemos a versão mais simples de 5 níveis, torna-se muito óbvio o que realmente é o potencial quântico.

Na involução ou criação, o Espírito, radicalmente inqualificável, decide brincar de esconder e, conseqüentemente, "esquece" de si mesmo e derrama-se para fora a fim de criar um mundo manifesto de diversidade e alteridade. Como vimos, a primeiro coisa criada pelo Espírito puro é a alma, que então derrama-se para criar a mente, que derrama-se para criar a vida (ou prana), que, em seguida, derrama-se para criar a matéria insensível (quarks, átomos). Ao final desta seqüência ontológica, a matéria passa a existir como uma cristalização e condensação de prana.

Em outras palavras, o potencial quântico não é espírito e sim prana. Mais tecnicamente, o potencial quântico não é Espírito-como-espírito, não é Espírito-como-alma, não é Espírito-como-mente; o potencial quântico é Espírito-como-prana, que dá origem a espírito-como-matéria.

O que os formalismos da MQ estão captando como um breve vislumbre - meramente numa forma de terceira-pessoa, abstrata, matemática - é a surpreendente potência da energia etérico-astral, da qual surge o mundo material bruto inteiro, como uma sedimentação e cristalização. Uma versão disto é: quando a função de onda de Schroedinger colapsa, prana dá origem à matéria. Mas independentemente de como a concebamos, esta é a interface particular ativada.

A Doutrina das Duas Verdades

O Problema

Desse modo, tal parece ser o caminho mais simples e mais fácil para unir o melhor das tradições de sabedoria e ciência moderna nesta área específica. Por outro lado, a noção simplista e dualista de que existe, por exemplo, uma ordem implicada (que é espiritual e quântica) e um ordem explicada (que é material e newtoniana) causou enorme confusão, e ainda está causando. Até David Bohm, que introduziu essa noção, acabou finalmente dando tantas voltas, que a tornou irreconhecível.

Acabamos de ver que, para as tradições, o lado da energia da Grande Cadeia do Ser significa que prana é implicado para a matéria-energia bruta (que é explicada para prana). Por sua vez, a energia psíquica é implicada para prana (que é explicado para a energia psíquica). E, claro, a energia causal é implicada para a dimensão psíquica (e para todas as inferiores) - "causal" é chamada assim porque é a causa, o começo, a geratriz criadora da seqüência manifesta completa. Portanto, cada dimensão na Grande Cadeia é implicada para sua júnior e explicada para sua sênior - uma noção claramente apresentada por teoristas desde Fa-Tsang a Plotino, a Schelling.

Mas se você considerar a física como sendo absoluta (isto é, se confundir as duas verdades [vide abaixo]), então colapsará a Grande Cadeia simplesmente numa ordem implicada e noutra explicada. E um dos muitos problemas com este esquema grosseiro, como vimos, é que se você igualar realidades quânticas a um tipo de Força Criadora espiritual suprema, então como este "espírito" origina átomos, que originam moléculas, que originam células, que originam organismos, e assim por diante, quanto mais alta a evolução, mais distante de Deus você está.

Bohm percebeu isto vagamente - e percebeu que sua "ordem implicada," justamente por estar dissociada da ordem explicada, realmente não poderia representar nenhum tipo de genuína realidade espiritual não-dual. Ele então inventou um terceiro domínio, a "ordem superimplicada", que seria o domínio espiritual não-dual. Portanto, passou a ter três níveis de realidade: explicado, implicado e superimplicado. Mas porque estava pouco familiarizado com as sutilezas de Shunyata (vide abaixo), ele ainda ficou refém de noções dualísticas (porque ainda tentava qualificar o inqualificável). Então, adicionou mais um epiciclo: "além do superimplicado," dando-lhe quatro níveis de realidade.

Lentamente, Bohm retornou a uma versão grosseira da tradicional Grande Cadeia, que mantém que cada dimensão sênior é implicada para suas juniores. Mas tudo isto deveria estar baseado na física, o que significa que Bohm realmente envolveu-se num colossal jogo reducionista que devastou os níveis intermediários reais da Grande Cadeia (por exemplo, o nível 2, que é tratado pela biologia e o nível 3, tratado pela psicologia, são todos reduzidos a variáveis ocultas em formalismos de massa-energia bruta da MQ). Isto não é a união de ciência e espiritualidade, mas a união de física ruim com misticismo ruim.

Solução Sugerida

Como sugerido, esta equiparação de realidades quânticas (ou subquantas, ou cordas, ou simetria) com algum tipo de Espírito não-dual talvez seja a maior confusão teórica de todo o campo. Primeiro, porque confunde a natureza da involução e evolução e, conseqüentemente, confunde o início da seqüência involucionária - isto é, espírito causal - com o início da seqüência evolucionária - isto é, o vácuo potencial (ou algo assim), que realmente representa Espírito-como-prana, não Espírito-como-espírito. Na terminologia dos chacras, esta visão confunde a imensa potencialidade criativa da Kundalini aninhada na base da coluna vertebral (muladhara) com a Kundalini no topo da cabeça (sahasrara). Já sabemos que ambas são Kundalini; mas muladhara simplesmente não é o mesmo que sahasrara.

Mas em segundo lugar , e mais importante, viola a doutrina das duas verdades.

Em última análise, as tradições são muito claras ao afirmar que o "primeiro passo" na manifestação involucionária é realmente um Mistério não-dual que não pode de maneira alguma ser adequadamente captado (ou mesmo insinuado) pela verdade convencional, incluindo qualquer tipo de ciência, pensamento de vanguarda, etc. A razão é que as grandes tradições, desde Parmênides a Padmasambhava, são unânimes naquilo que o Vedanta chama a doutrina das "duas verdades": isto é, existe uma verdade absoluta ou não-dual e uma verdade relativa ou convencional, e elas são de ordens radicalmente diferentes. A verdade relativa está preocupada com situações no domínio finito, tais como "moléculas da água contêm um átomo de oxigênio e dois de hidrogênio," ou "a Terra está a 93 milhões de milhas do Sol," ou "o potencial do vácuo quântico no raio de um angstrom é igual a 10 2300000 ergs," e assim por diante. De acordo com Nagarjuna, Shankara e Plotino, você pode fazer afirmações verdadeiras ou falsas sobre tais eventos finitos, e a verdade no reino relativo é realmente uma procura das condições sob as quais afirmações relativas são verdadeiras. Isto é verdade relativa, finita ou assertiva.

O que não acontece com a verdade absoluta, sobre a qual, literal e radicalmente, NADA pode ser dito com precisão de modo não-contraditório (inclusive esta afirmação: se ela for verdadeira, é falsa). Os grandes dialetas transcendentais - de Nagarjuna a Kant - demoliram completamente quaisquer tentativas, mostrando que qualquer uma delas que tente categorizar a realidade suprema (como, por exemplo, afirmando que ela é um potencial de energia quântica) volta-se contra si mesma e dissolve-se numa regressão ad absurdum ou ad infinitum. Eles não afirmaram que o Espírito não existe, mas simplesmente que qualquer declaração finita sobre o infinito definitivamente não funcionará - não da mesma forma que declarações sobre verdades relativas ou convencionais funcionarão. O Espírito pode ser conhecido, mas não falado; visto, mas não explicado; assinalado, mas não descrito; percebido, mas não reiterado. Verdades convencionais são conhecidas pela ciência; a verdade absoluta é conhecida pelo satori. Elas simplesmente não são a mesma coisa.

Para Nagarjuna, o Real é shunya (vazio) de tais categorizações. Para Shankara, uma vez criado o mundo de maia, você não pode fazer nenhuma afirmação sobre maia: quando você está em maia, tudo que diz é falso; quando acorda, não existe maia - em ambos os casos, você não pode fazer uma declaração sobre maia (nem, portanto, sobre o "criador" de maia). Para Plotino, o"Um" não é "um um numérico" - em outras palavras, o "Um" é apenas uma metáfora poética para Qüididade, não um modelo real de Qüididade. (O potencial do vácuo, por outro lado, é um modelo, não uma metáfora.)

Em resumo, existe a verdade absoluta ou não-dual e existe a verdade relativa ou convencional; não se pode simplesmente considerar uma afirmação da última e aplicá-la à primeira. Quando usamos palavras finitas para tentar representar a Qüididade suprema, o máximo que conseguimos é uma metáfora poética (ou afirmações metafóricas), mas o absoluto só é conhecido por experiência direta que envolve uma transformação da consciência (satori, sahaj, metanóia); e "o que" é visto em satori não pode ser declarado em palavras dualistas ordinárias a não ser por metáforas, poesia e sugestões (se quiser conhecer Deus, você deve despertar, não meramente teorizar). Verdades convencionais e científicas, por outro lado, são assertivas, não metafóricas; elas trabalham com modelos, não poemas; elas são finitas, dualísticas, e convencionais - tudo isto é bom quando direcionado ao domínio finito, dualístico, convencional.

O Upanishads concorda: nirguna Brahman é "um sem um segundo," não "um entre muitos." O potencial do vácuo tem um segundo (ou um "outro," isto é, a matéria bruta); mas Brahman não tem tal segundo, e portanto Brahman decididamente não pode ser identificado com alguma coisa quântica. Não pode ser conhecido por conhecimento assertivo ou metafórico, só pelo despertar. Até mesmo chamar Brahman de "infinito" não está correto, pois a palavra "infinito" só tem significado em função de sua oposta ("finito"); assim, definições como "informe, vazio, infinito, inqualificável, não-dual" são, de fato, essencialmente dualistas. O Zen tenta sugerir isto dizendo que o absoluto é "não dois, não um."

Infelizmente, os físicos que começaram a comparar realidades quânticas com o Tao estavam simplesmente despreparados para as sutilezas filosóficas das grandes tradições. Curiosamente, os físicos originais e pioneiros - de Schroedinger a Planck até Einstein - recusaram-se a fazer tal confusão - isto é, recusaram-se a identificar as descobertas da física quântica ou relativística com qualquer tipo de realidade espiritual (como descobri quando editei seus escritos sobre espiritualidade: vide Quantum Questions: The Mystical Writings of the World's Great Physicists). Novamente, eles não negaram o Espírito - exatamente o contrário - mas reconheceram que afirmações sobre o domínio relativo não são da mesma ordem que as do domínio absoluto, e conseqüentemente, confundi-los é prejudicial a ambos.

Assim, o potencial do vácuo é parte do domínio manifesto, finito, relativo. Exatamente por esta razão pode ser estudado pela ciência. É uma realidade que, pelo menos de algumas maneiras, é diferente de outras realidades; possui qualidades; quantidades; dimensões. Nenhuma destas características pode ser atribuída à Qüididade, a não ser por metáforas poéticas. Entretanto, os campos etérico, astral e psíquico, justamente por serem partes reais do mundo manifesto, são objetos adequados de estudo da ciência. Não há nenhuma contradição em afirmar-se que o vácuo quântico é a protuberância no domínio bruto de sua ordem implicada sênior: ou seja, prana.

Isto posto, creio que podemos continuar em direção a uma teoria verdadeiramente integral de energias sutis.

Resumo da Realidade Quântica

Seguindo os grandes sábios-filósofos (como Nagarjuna, Plotino e Shankara), podemos resumir as razões por que quaisquer tipos de eventos quânticos ou subquânticos não são o Espírito:

  1. A realidade quântica apresenta características, qualidades ou dimensões que a diferenciam da matéria manifesta; mas o Espírito é radicalmente shunya de drsti (vazio de quaisquer qualidades, inclusive desta caracterização) - por exemplo, o vácuo quântico possui imensa energia, o Espírito é inqualificável.
  2. A realidade quântica difere, em importantes pontos, da matéria bruta; mas o Espírito não é diferente de nenhuma manifestação; ao contrário, é a Qüididade ou Essência de tudo que surge.
  3. A realidade quântica possui um oposto (a realidade não-quântica), mas o Espírito é radicalmente não-dual.
  4. O Espírito é adimensional; a realidade quântica encontra-se simplesmente numa dimensão diferente.
  5. E, o mais importante, a energia material quântica provém diretamente de prana, não do Espírito (isto é, a matéria cristaliza-se a partir do Espírito-como-prana, não do Espírito-como-espírito).

Por outro lado, perceber que eventos bruto-relativístico-quânticos são eventos de superfície, ou manifestações de um campo de energia etérica, permite-nos considerar adequadamente estes eventos, de modo consoante com: as grandes tradições de sabedoria, a vanguarda da ciência, o corpo de conhecimento das energias sutis e sua reinterpretação AQAL. A massa-energia bruta é uma manifestação superficial de campos etéricos, que são superficiais em relação a campos astral-psíquicos, que são superficiais ao causal, que é o misterioso véu inicial sobre a Face Original do Espírito, à medida que se manifesta como mundo, a cada momento....

Tradução de Ari Raynsford