Excerpt G:

Rumo a Uma Teoria Completa de Energias Sutis

Ken Wilber

Notas Explicativas

1 Em resumo, cada onda de probabilidade na matriz AQAL possui tanto consciência interior quanto forma e massa-energia exteriores, e estas formas exteriores varrem o espectro desde massa-energia bruta a massa-energia sutil, até massa-energia causal (com gêneros e espécies como gravitacional, nuclear, etérica, astral, psíquica, etc. [vide abaixo]). Obviamente, cada hólon também tem dimensões culturais e sociais, e a dimensão social - ou a dimensão interobjetiva, a dimensão da forma coletiva - também tem seus campos coletivos de energia, mas novamente, estamos aqui focalizando hólons individuais.

Esta característica de "massa-energia" do hólon explica por que as tradições freqüentemente se referem a estes aspectos como corpos com energias reais - isto é, alguma forma ou tipo de "matéria" (bruta, sutil, causal) com sua energia correspondente (tal como "corpo bruto, corpo sutil, corpo causal"); estes corpos são os suportes de matéria-energia para os vários estados de consciência. Deste modo, estas tradições (por exemplo, o Vedanta e o Vajrayana) incluem especificamente AMBOS: uma mente ou componente de consciência e um corpo ou componente de matéria-energia, e afirmam explicitamente que não se pode ter um sem o outro. Poderíamos resumir assim: cada consciência interior ou "mente" (QSE) é sempre inseparável de sua energia correspondente ou "corpo" (QSD): daí, corpo-mente bruto, corpo-mente sutil, corpo-mente causal.

Numa estrutura AQAL, temos o seguinte: existe uma ocasião real dada, ou um hólon individual dado. Visto do exterior, este hólon tem uma forma ou padrão discernível; é uma unidade mórfica. Estas formas não são meramente limitadas a formas brutas. No estado de sonho, por exemplo, você pode ver todos os tipos de entidades, coisas, eventos, iluminações, imagens de pessoas, e assim por diante. Estas não são formas brutas, elas são formas sutis - mas, de qualquer modo, formas; elas são o quadrante superior direito no estado de sonho.

Na evolução, formas num nível particular de complexidade bruta assumem um padrão de energia correspondentemente complexo: quanto maior o grau de complexidade, mais sutil a energia correspondente. Este espectro de matéria-energia é o quadrante superior direito, que vai da massa-energia bruta para a sutil, até a causal (com todos os tipos de subespécies - eletromagnético, etérico, astral, etc.).

Mas matéria, forma e energia são como o hólon individual se apresenta do exterior. Toda energia é uma versão de frequência por intervalo de tempo (ou espaço por tempo) - isto é, a própria energia é essencialmente da dimensão "isso". Mas os interiores dos hólons não são experimentados como ciclos por segundos, ou possuindo um comprimento de onda de 6 mícrons, ou repetindo 2.000 vezes por segundo. Essas são todas condições de terceira pessoa da dimensão "isso" - uma dimensão muito real (isto é, o QSD). Os interiores não consistem de ciclos por segundos ou espaço com extensão, mas sim de sentimentos com intenção, experiências com emoções vívidas, conscientização vivenciada, consciência sentida (isto é, o QSE). Quando uma pessoa diz, "eu estou ficando sem energia," ela quer dizer que está ficando sem intenção, não ficando sem extensão.

É claro que os estados de energia do corpo (bruto, sutil, ou causal) podem ser realmente sentidos, mas os sentimentos são apreensões interiores, não formas exteriores. Em todo hólon existem ambos - sentimentos e formas - mas é importante não confundi-los. O que podemos chamar de materialismo sutil (ou a redução de toda a consciência interior a energias sutis exteriores) é tão comum quanto o materialismo bruto (a redução de toda a consciência interior a energias brutas exteriores).

Por esta razão, resumimos assim: na evolução, quanto maior o grau de complexidade bruta (no QSD), mais sutil a energia correspondente (no QSD) e maior o grau interior de consciência (QSE) - e nenhum deles pode ser reduzido aos outros.

2 Isto significa que os estados e/ou estágios mentais ou do QSE - como o meme vermelho, o meme azul, estágio moral 4, conop, e assim por diante - teriam suas próprias impressões digitais micro-energéticas ou padrões de assinatura de energia. Vermelho, azul, laranja, etc. são os hólons no QSE; as assinaturas de energia das espécies são os correlatos no QSD a que estou me referindo nesta taxonomia, mas ainda não temos nomes para elas. O mesmo é válido para a energia de espécie no gênero T-2, e, de fato, para muitas das assinaturas de energia individuais e coletivas na matriz AQAL.

3 Novamente, como na nota 2, isto significa as assinaturas de energia desses estados de consciência. Nirvikalpa e jnana, aqui, são os correlatos no QSE das energias de espécies.

4 O que chamamos de "dados involucionários"são aceitos pela Pós-metafísica Integral, já que é teoricamente impossível pôr de lado todos eles; vide Excerpt "A", postado no site wilber.shambhala.com. O ponto é postular o menor número possível de tais dados "metafísicos" visando ao funcionamento de um Kosmos, porque a metafísica se esconde de argumentos de validade, e deste modo, está aberta a - e quase sempre é infectada por - impulsos de poder.

5 As citações que se seguem são de Theories of the Chakras, pgs. 21, 281, 282.

6 Detalhando um pouco: o bebê ao nascer tem todos os 7 chacras, particularmente em suas formas brutas, mas os chacras estão largamente adormecidos (especialmente em suas formas mais sutis). Cada chacra contém ou transmite um estado de vigília, sonho e sono profundo; e cada chacra possui uma correspondente família de energia bruta, sutil, e causal oscilando através dele (embora, novamente, os chacras mais elevados estejam relativamente adormecidos, e os gêneros e espécies de energias estejam relativamente adormecidos). À medida que ocorre o crescimento e o desenvolvimento, chacras mais elevados sucessivamente são acordados; embora, considerando que cada chacra existe numa dimensão bruta, sutil e causal, essas dimensões podem, às vezes, desenvolver-se desigualmente. Muitos adultos, por exemplo, amadurecem para os chacras brutos mas com pequeno despertar dos chacras sutis (Leadbeater, por exemplo, escreveu extensivamente sobre este tópico). Vide Psicologia Integral para uma discussão do desenvolvimento dos "três-domínios".

Sempre que um chacra desperta, assume o conteúdo do estágio de desenvolvimento de sua posição; e atua como mediador entre os grandes estados de vigília, sonho e sono profundo (e suas energias), cujo conteúdo está sendo fornecido pelo estágio real de desenvolvimento (como vimos com o exemplo dos conteúdos do estado de sonho). Novamente, este é essencialmente o modelo do Vedanta/Vajrayana, apenas sofisticado e dissecado. Vide Sidebar G, "States and Stages" postado no site wilber.shambhala.com, para uma completa discussão deste tópico.

Tradução de Ari Raynsford